Uma geração premiada.

Quando eu tinha 10 anos, perdi minha avó paterna, então com 72 anos. Era uma velhinha meiga de cabelos brancos em coque, óculos de aros dourados. Vestia sempre vestidos azul marinho, marrom ou preto e sapatos anabela. Suas diversões eram o tricot, o crochet e a cozinha. Suas bolachinhas eram inesquecíveis e sua alegria era reunir a família para o Shabat nas sextas a noite. E como eram boas as nossas reuniões!

Hoje, quase chegando na idade em que a perdi, tenho dificuldades em me encontrar naquela figura de avó. Não cultivo cabelos brancos, embora seja fashion, visto a cor que tenho vontade, trabalho em projetos instigantes, participo de entidades do terceiro setor, estou cheia de planos. Cada uma de nós é a mulher de seu tempo.

Nós, Baby Boomers, somos uma geração premiada. Tivemos uma educação formal, passamos pela revolução sexual da pílula anticoncepcional, fomos fãs e curtimos Beatles e Rolling Stones, vimos o Muro de Berlim cair, assistimos a ascensão das mulheres no mercado de trabalho, o avanço da medicina, a democratização do afeto e sua importância nas relações.

A chamada geração prateada tem hoje um mar de oportunidades e um poder econômico incrível. Podemos ser o que quisermos, como disse Contardo Calligaris em suas últimas palavras.

Quem sabe o mercado nos descobre e começa a atender às nossas necessidades?

Estamos sempre prontos!

Arq. Arlene Lubianca

Diretora

Deixe seu comentário